Nota da Associação de Docentes da Uerj sobre o processo eleitoral indireto para escolha de reitor/reitora da Unirio

0
594

A Unirio, fazendo uso de seus conselhos superiores, deliberou no dia 11/4/19 sobre a lista tríplice que será enviada ao presidente da república com indicações para o futuro reitor/a da referida universidade.

Nós, da diretoria da Asduerj, que já estávamos acompanhando o processo em questão, vemos com profundo pesar e grande indignação os desdobramentos do rito eleitoral que acaba de ser realizado na Unirio. Em primeiro lugar, o colégio eleitoral, ignorando decisões estabelecidas no conselho universitário e a prática de décadas da Unirio, permitiu a entrada de candidatos que não passaram pela consulta da comunidade acadêmica. Portanto, caracterizando uma forma indireta de escolha. Em segundo lugar, este procedimento desrespeita e deslegitima a vontade democrática proveniente das urnas da Unirio em uma conjuntura difícil de ataque por parte do governo federal e dos governos estaduais ao conjunto das universidades públicas brasileiras.

É importante ressaltar o fato de que pela primeira vez na história das eleições para reitores/as no Brasil, desde o processo de redemocratização do país, candidatos se apresentaram somente ao Colégio Eleitoral. Formado pelo conjunto dos conselheiros do Consun e do Consepe, órgãos máximos da universidade, o Colégio Eleitoral deveria ter tomado para si o papel de defensor máximo do desejo da comunidade acadêmica proveniente das urnas e ter indicado na lista tríplice os vencedores do pleito eleitoral realizado na consulta.

É preciso compreender que a unidade e a coesão da comunidade acadêmica em todas universidades são extremamente necessárias para que seja possível combater o autoritarismo, o ataque à autonomia universitária, os cortes de verbas e o obscurantismo propalado diuturnamente pelo atual governo. De fato, é primordial que o princípio da autonomia universitária seja reafirmado em toda sua ancestralidade para que juntos e de forma uníssona defendamos o direito ao conhecimento livre e libertador. A Universidade, por conta de seu papel histórico, enfrenta, hoje, em um momento de ascenso do autoritarismo, uma série de difamações absurdas contra o seu papel, como se dessa não emanasse as mais valorosas contribuições para o estado democrático e para a solução dos principais problemas brasileiros da atualidade.

Diante do recrudescimento do conservadorismo em nosso país naquilo que tange a educação pública, portanto, gratuita e socialmente referenciada, entendemos que o que está em jogo não é somente o projeto de educação, mas também o projeto de sociedade que deixaremos para nossos filhos e netos. O sistema das mais de 50 universidades públicas construído com a luta de todos aqueles que acreditam na educação como um direito básico encontra-se sob intenso ataque, fazendo-se necessárias todas as formas de resistência diante daqueles que querem espoliar e/ou usurpar os ativos públicos das universidades.

Repudiamos o ocorrido e nos colocamos duramente contra processos que não legitimem os princípios da democracia, diálogo e pluralidade, que devem orientar as práticas da gestão da universidade.

Diretoria da Asduerj

23/4/19