Estudantes reivindicam Auxílio-Alimentação Emergencial

0
474

Em reuniões realizadas com representantes da Asduerj, do Sintuperj, do DCE e da APG/Uerj, nos dias 28 de setembro e 05 de outubro, a Comissão Permanente de Legislação e Normas (CPLN) do Conselho Universitário (Consun) acolheu e aprovou a proposta feita por membros da bancada estudantil do Consun que participam da campanha auxílio-alimentação na Uerj de instituir este benefício para estudantes durante a pandemia da Covid-19.

A ideia é criar uma política de transferência de recursos de alimentação aos estudantes, enquanto o Restaurante Universitário estiver desativado. A proposta foi inserida como um artigo da Minuta de Resolução que trata de Garantias e Direitos de docentes, técnico-administrativos e estudantes na situação do Ensino Remoto Emergencial. O texto deverá ser votado pelo Conselho Universitário (Consun).

Projeto propõe manutenção do auxílio após retorno das atividades presenciais para estudantes dos campi sem “bandejão”

O auxílio-alimentação para discentes durante a pandemia também é objeto de outra minuta de Resolução que tramita no Consun. Apresentada por cinco conselheiros (quatro da bancada estudantil e um servidor técnico-administrativo), esta proposta objetiva uma regulamentação para além do Período Emergencial.

O projeto busca garantir o acesso gratuito ao RU para estudantes cotistas e com perfil de renda inferior ou igual a 2 (dois) salários mínimos per capita. A proposta inclui, ainda, a continuidade do pagamento de Auxílio Alimentação Emergencial (AAE) a estudantes dos campi que não possuem “bandejão”, até que restaurantes universitários sejam inaugurados nesses locais.

A “democratização da alimentação” foi tema de um manifesto divulgado por estudantes em redes sociais no dia 16 de outubro. A data designada como Dia Mundial da Alimentação serviu de mote aos estudantes para reivindicar o avanço da discussão sobre o auxílio, no Consun. A data e a reivindicação também foram marcadas com uma faixa estendida no campus Maracanã da Uerj (imagem).

O manifesto divulgado pelos estudantes nas redes reafirma o caráter popular da Uerj e o atual momento de crise econômica, aumento da pobreza e da fome no país e no estado do Rio de Janeiro, em particular. O movimento ressalta que muitos dos estudantes da Uerj “almoçam e jantam, no Restaurante Universitário, devido à sua condição socioeconômica”. As palavras do sociólogo Herbert de Souza – o Betinho – foram lembradas: “Quem tem fome, tem pressa”.

Artigo anteriorPL que institui Procuradoria Geral da Uerj entra em debate na Alerj
Próximo artigoEleições Andes-SN: Conheça as chapas candidatas à direção do Sindicato Nacional