Conselho do Andes-SN indica Greve Nacional da Educação para o dia 13 de agosto

1
6072

Poucos dias antes do anúncio do “Future-se” pelo Ministério da Educação – programa avaliado como uma grande ameaça ao caráter público das universidades e institutos federais de ensino superior – 238 professores, entre delegados e observadores, reuniram-se na Universidade de Brasília (Unb), de 11 a 14 de julho, para o 64º Conselho do Sindicato Nacional de Docentes de Instituições do Ensino Superior (Conad).

Segundo maior evento deliberativo do Sindicato Nacional (Andes-SN), responsável por atualizar os planos de luta aprovados nos Congressos da categoria todo início de ano, o Conad cumpriu desta vez a tarefa de analisar o impacto dos seis primeiros meses do governo Bolsonaro para o ensino público superior no Brasil.

Foi avaliado ainda positivamente o papel desempenhado pelas grandes mobilizações nacionais realizadas nos dias 15 e 30 de maio, além da Greve Geral do dia 14 de junho, como respostas aos ataques do governo Federal à educação pública e aos direitos dos trabalhadores.

Conad aprova construção de nova Greve Nacional da Educação

Como resultado das análises e avaliações, a principal deliberação do 64º Conad foi o indicativo de uma Greve Nacional da Educação no dia 13 de agosto, em unidade com outras entidades de trabalhadores da educação.

A paralisação foi convocada inicialmente pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), com outras entidades representativas da classe e está incorporada ao calendário da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas).

Para a professora Deborah Fontenelle, delegada da Asduerj no 64º Conad, que permaneceu em Brasília após o fim do Conselho para participar das mobilizações contra o programa Future-se, a construção da greve da Educação no dia 13 de agosto é uma tarefa fundamental do início do próximo semestre.

A adesão dos professores da Uerj à Greve Nacional será discutida em assembleia no dia 7 de agosto, às 14h. O local será divulgado em breve.

Luta por direitos e democracia

Os delegados aprovaram ainda a intensificação da luta do Andes-SN pelo reenquadramento dos aposentados na carreira docente com ações políticas e jurídicas e um firme posicionamento do sindicato na reafirmação de Paulo Freire como patrono da Educação brasileira.

A atualização das lutas pelos direitos da classe trabalhadora, da educação pública e gratuita e pelas liberdades democráticas foi outro eixo de discussão. Decidiu-se impulsionar a participação das seções sindicais no Fórum Sindical Popular e de Juventudes por Direitos e Liberdades Democráticas, fortalecendo a Frente Nacional da Escola sem Mordaça, e a sua construção nos estados e municípios. A ampliação do  caráter democrático dos fóruns deliberativos do Andes-SN também foi alvo de deliberação.

Calendário de lutas do setor das Estaduais e Municipais

Além do dia 13 de agosto, o setor das Instituições Estaduais e Municipais de Ensino Superior (IESS/IMES) aprovou a realização de atividades de mobilização no dia 17 de outubro – Dia Nacional de Combate ao Assédio, e no dia 22 de novembro – Dia Nacional de Combate ao Racismo, consideradas datas importantes para consolidar os direitos sociais e as liberdades democráticas no Brasil. Além da realização do XVII Encontro Nacional do Setor das IEES/IMES no segundo semestre de 2019.

O 64º Conad teve a participação de 238 representantes de 64 seções sindicais (62 delegados, 134 observadores, 38 diretores do Andes-SN e 4 convidados). As professoras Deborah Fontenelle (Delegada) e Rosineide Freitas (Observadora) compuseram a delegação da Asduerj no evento.

A edição do 2020 do Conad acontecerá na cidade de Vitória da Conquista (BA).

* A partir de reportagens dos sites do Andes-SN e da Adunb

Artigo anteriorPrograma Future-se representa a extinção da Educação Federal Pública
Próximo artigoA adesão à Greve Nacional da Educação está na pauta

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.