Em Carta Aberta, Representação Docente denuncia tratamento desigual à comunidade do CAp pela Reitoria

0
369
Novas instalações do CAp Uerj

A Representação do CAp-Uerj no Conselho da Asduerj divulgou nesta quarta-feira, 15/6, carta aberta à Comunidade expressando sua surpresa com a recomendação formal da PR-5 para que as atividades acadêmicas sejam não presenciais nos próximos quinze dias.

A Carta lembra que nas últimas semanas a representação vem buscando diálogo com a PR-5 e com a Reitoria, demandando a suspensão imediata e temporária das aulas presenciais para que se pudesse reorganizar e reformular os protocolos de biossegurança no CAp.

No entanto, a solicitação, baseada em expressiva mobilização do corpo docente da unidade, foi sistematicamente ignorada ou deslegitimada pela administração central. Agora, com o retorno das atividades nos demais campi, a PR-5 muda de posição, caracterizando um tratamento desigual em relação à comunidade capiana, denuncia o documento.

A Asduerj manifesta seu apoio à mobilização dos professores e professoras do CAp pela garantia da segurança sanitária a todes e convoca as e os docentes à assembleia geral no dia 21/6, às 14h. Não toleraremos tratamento desigual à comunidade do Instituto de Aplicação.

Leia na íntegra a seguir

Carta aberta da representação docente do CAp à comunidade uerjiana

Circulou ontem, dia 14/06, pela comunidade uerjiana, uma orientação formal redigida pela PR5 (CI UERJ/PR5 SEI Nº67) recomendando que, diante do quadro de agravamento do panorama da COVID-19, as atividades acadêmicas seja preferencialmente não presenciais nas próximas duas semanas.

Essa recomendação foi recebida com surpresa pela representação do CAp junto à ASDUERJ, que vem buscando o diálogo com a direção do Instituto, com a PR-5 e a Reitoria da UERJ com base em uma significativa mobilização da categoria docente do Instituto.

Enquanto o campus Maracanã permanecia em férias, o CAp manteve atividades presenciais durante os meses de maio e junho. Nas últimas semanas, a escalada da contaminação por Covid-19 se mostrou alarmante no cotidiano do CAp, ao mesmo tempo em que o protocolo formulado pela PR5 se mostrou insuficiente para controlar o contágio e garantir a segurança de estudantes e servidores do Instituto. Uma reunião emergencial de categoria foi realizada dia 03/06, a partir da qual foi redigida uma carta à direção do Instituto demandando a suspensão imediata e temporária das aulas presenciais para que se pudesse reorganizar e reformular os protocolos de biossegurança no CAp.

Tal carta foi respondida apenas no dia 13/06, com a reafirmação pela direção da suficiência dos protocolos em curso. Houve ainda uma reunião da PR5 com a presença da ASDUERJ, da comissão de biossegurança do CAp e com a representação da categoria no dia 08/06, ocasião na qual a PR5 insistiu na segurança da manutenção das aulas presenciais no CAp e da suficiência dos protocolos existentes. Ressaltamos que a PR5 manteve uma postura tecnicista com relação ao CAp, insistentemente ignorando nossa interpelação sobre a ineficácia da aplicação dos protocolos por eles formulados na realidade do CAp.

Tivemos novas reuniões emergenciais da categoria nos dias 10/06 e 13/06, sendo que nesta última pudemos contar com a presença de técnicas/os e estudantes, aumentando-se assim a representatividade da comunidade capiana no espaço. Decidimos por oficiar a reitoria através da ASDUERJ, marcando uma reunião para o dia 14/06, na medida em que houve uma demora na resposta por parte da direção do instituto e o comunicado recebido no dia 13/6 não sinalizou outras medidas a serem adotadas em relação ao praticado até então. O ofício enviado a reitoria permaneceu sem resposta formal, o que se configura na prática em uma recusa da reitoria em receber a categoria docente do CAp.

Nosso objetivo com toda essa mobilização é zelar pela segurança, pela saúde e pelas vidas de toda a comunidade do CAp, das/os nossas/os estudantes e, particularmente, salvaguardar nosso direito enquanto trabalhadoras/es de exercer nosso trabalho em condições seguras. A representação do CAp foi sistematicamente desrespeitada, tendo as solicitações da categoria sendo ora ignoradas, ora deslegitimadas.

Diante de tudo isso, quando há o retorno das aulas no campus Maracanã, a PR5 muda de posição e admite que a situação do contágio é grave e que as atividades presenciais podem ser perigosas em termos de biossegurança. Enquanto esse era o caso apenas no Instituto de Aplicação, a posição era diferente.

A reunião com a reitoria consistia em uma estratégia de mobilização para esta terça feira, 14/06, legitimada em duas reuniões com ampla representação da categoria docente, e participação da representação do grêmio estudantil e de algumas/na  do segmento de  técnicas/os. Tinha como objetivo sinalizar à reitoria a necessidade de um enfrentamento mais sistematizado e radical ao contágio que, mesmo não expresso nos números sistematizados pela direção, tem se apresentado alarmante no cotidiano vivenciado por servidoras/es e estudantes. Identifica-se elementos preocupantes com relação a essas estatísticas, como um alto número de resultados de testes rápidos negativos para pessoas que apresentam sintomas, a não representação da totalidade de casos positivos testados fora do CAp nos dados levantados pela direção, a ausência de requisito de testagem para retorno daquelas/es que estiveram contaminadas/os, entre diversos outros problemas que vimos elencando em reuniões e cartas abertas.

Nesse sentido, a mobilização de professoras e professores tem o significado de somar com a gestão para a garantia da segurança sanitária de todes. Por isso, entendemos como arbitrária a posição da reitoria de ignorar nossa solicitação de reunião e seguimos na mobilização para o enfrentamento da pandemia e para que nenhuma e nenhum de nós tenha a saúde ameaçada em função dela.

Seguimos na luta e amplificados o chamado a todas, todes e todos para a assembleia geral convocada pelo nosso sindicato para o dia 21/06, para que possamos coletivamente enfrentar a situação e a deslegitimação da realidade vivenciada no CAp UERJ.

Artigo anteriorCasos de Covid no CAp preocupam docentes da unidade
Próximo artigoCarta da assembleia docente reunida no dia 21/6 para a reitoria