Movimento unificado dos servidores do poder executivo pela recomposição salarial realiza segunda reunião com parlamentares e amplia articulação

0
266

A Asduerj participou nesta terça-feira, 9/4, junto ao Fosperj, e ao Movimento Unificado dos Servidores do Executivo pela Recomposição Salarial da segunda reunião com parlamentares na Alerj.

O encontro contou com a participação dos deputados Luiz Paulo (PSD), Flávio Serafini e Professor Josemar (ambos do Psol), além da assessoria do deputado Carlos Minc (PSB).

No encontro, os parlamentares colocaram seus mandatos à disposição do movimento dos servidores pela recomposição e ajudaram a traçar um panorama para possíveis táticas de luta.

Para o deputado Luiz Paulo, um ponto fundamental é a participação dos servidores no processo de reformulação do Regime de Recuperação Fiscal do Rio de janeiro (RRF), haja vista que são eles os que mais têm sido penalizados pelos Regimes anteriores. O parlamentar lembrou que o governo federal terá de apresentar uma nova proposta de RRF ao governador ainda este ano.

Luiz Paulo desmentiu ainda o discurso de que o estado está falido ou com as contas no negativo. Segundo ele, o governo Fluminense somou um total de 24 bilhões/ano de isenções fiscais. Há ainda 2 bilhões oriundos do contingenciamento dos fundos públicos em 2024, além de outros 20 bilhões em caixa.

Já o deputado Flávio Serafini buscou desconstruir a retórica do governo de que “os servidores são caros” ou de que são os grandes responsáveis pela alegada situação financeira calamitosa do Rio, ressaltando que a folha do estado cresce muito pouco.

Para Serafini, é necessário, no entanto, que haja objetividade na luta pela recomposição e na articulação que está sendo construída com a bancada de deputados federais. O parlamentar sugeriu que o movimento se concentre na principal contradição do governo, que, para ele, diz respeito ao grande montante de renúncias fiscais x a situação de empobrecimento dos servidores públicos.

A importância de conciliar a visão técnica a respeito da dívida do Rio com a questão política, abordando as opções e escolhas do governo do estado, também foi uma tática sugerida pelo deputado professor Josemar.

Além da articulação com os parlamentares, o movimento dos servidores tem buscado uma mediação com ex-presidente da Alerj, André Ceciliano, e há uma sinalização de que o grupo possa ser recebido pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, informou o coordenador do Fosperj Roberto Carlos.

Presente à reunião, o diretor da Asduerj Frederico Irias sugeriu a construção de um seminário que possibilite a participação de deputados estaduais e federais, especialistas da área, órgãos técnicos, intelectuais, artistas, entre outros, que possam defender a luta dos servidores públicos pela recomposição salarial e por um serviço público de qualidade entregue a população do estado do Rio.

O professor Irias sugeriu ainda que a reunião com os parlamentares da Alerj se torne ordinária, e que um calendário seja construído com antecedência, para que os servidores se organizem e compareçam.

A próxima reunião do Fosperj e dos servidores do executivo ficou agendada para a terça-feira, 16/4, às 13h.

Veja o vídeo com o diretor da Asduerj Frederico Irias comentando o encontro.

Artigo anteriorAssembleia docente discute táticas de mobilização pela recomposição salarial e manifesta apoio a substitutos
Próximo artigoEncontro das Estaduais, Municipais e Distrital do Andes-SN traz um painel da diversidade do setor e especula criação de carreira única