Conferência de Saúde no Rio aponta eixos para fortalecimento do SUS no Estado

0
267

Aconteceu no último sábado, 23/7, no Teatro Noel Rosa da Uerj, a primeira Conferência Livre, Democrática e Popular de Saúde. O evento foi organizado pela Frente pela Vida, que conta com a participação da Abrasco, Cebes, Rede Unida e outros. Na Uerj, foi apoiada pela Asduerj e serviu como preparatório para a Conferência Nacional que será realizada no dia 5 de agosto, em São Paulo.

Com a presença de lideranças comunitárias de saúde, usuários do SUS, parlamentares e dirigentes de entidades sindicais e movimentos sociais, a Conferência aprovou por aclamação o texto base da Carta do Rio, que será apresentada na Conferência Nacional.

O documento defende o SUS como sistema público, universal, integral e igualitário, apontando cinco eixos de luta para o seu fortalecimento.

No eixo financiamento e sustentabilidade do SUS, a Carta indica o cancelamento do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), no qual a pactuação da dívida do estado contém termos que implicam retirada de direitos do povo, como a proibição de concursos públicos, o teto de gastos para as áreas sociais, o incentivo às privatizações e um parco investimento para o sistema regional de Ciência e Tecnologia.

O documento indica ainda a necessidade de incentivar a pesquisa e a inovação nas universidades e outras instituições de pesquisa, fortalecendo os vínculos destas instituições com o SUS no Estado. O documento agora será consolidado com as contribuições da plenária popular que encerrou a Conferência no Teatro Noel Rosa.

Uma das organizadoras da Conferência do Rio, a diretora da Asduerj e professora do Instituto de Nutrição, Fátima Sueli Ribeiro, falou ao fim do evento sobre a importância do debate realizado e fez um convite à participação de todos e todas na Conferência Nacional. Veja a seguir.

Artigo anteriorRecomposição salarial e auxílios dos servidores (as) públicos do Estado do Rio de Janeiro continuam em xeque com novo Regime de Recuperação Fiscal
Próximo artigoConsun discute Proposta Orçamentária 2023 em meio a controvérsias sobre a expansão da Universidade