Em assembleia histórica, docentes aprovam extinção da Aduezo

0
390

Aconteceu na manhã desta terça-feira, 12/04, de forma telepresencial, a última assembleia docente convocada pela Aduezo (Seção Sindical do Andes-SN no Centro Universitário da Zona Oeste/Uezo). Por unanimidade, os professores do Centro Universitário – incorporado à Uerj pela Lei nº9602/2022 – aprovaram a prestação de contas e a extinção desta Seção Sindical, além dos nomes dos responsáveis por sua dissolução em cartório e a destinação do seu patrimônio ao Andes-SN. A Assembleia contou com a participação do Presidente da Asduerj, Guilherme Leite, e da 2ª Vice-Presidente da Regional Rio do Andes-SN, Rosineide de Freitas.

Em sua saudação, o Presidente da Asduerj destacou o caráter histórico da assembleia: “ao mesmo tempo uma solenidade e uma celebração pela conquista após a luta árdua realizada nos últimos meses”. Para ele, a incorporação foi um golpe nas políticas neoliberais e privatizantes, que não veem o serviço público como sinônimo de desenvolvimento, de justiça social e de igualdade. “Agora todos nós somos colegas na Uerj e temos objetivos em comum. De um lado, a luta por investimento público na universidade. De outro, a luta pela expansão da ciência, da inovação e da tecnologia de ponta em nosso estado. Estaremos juntos também na luta pela isonomia e pelos direitos dos docentes”, ratificou Leite.

“Incorporação mostra a importância da representação sindical”

O professor João Bosco, da direção da agora em processo de extinção Aduezo, destacou o pioneirismo desta seção sindical na luta pela incorporação. “Foi a Aduezo que iniciou esta mobilização. Isso mostra para a gente como é importante a representação sindical na nossa vida profissional”. Bosco comemorou ainda o fato de já haver investimentos da Reitoria da Uerj na preparação deste novo polo da Universidade para o retorno presencial em junho.

A 2ª Vice-Presidente da Regional Rio do Andes-SN, Rosineide Freitas, saudou a trajetória histórica da Aduezo e se comprometeu a encaminhar o processo formal de sua dissolução ao 41º Congresso do Andes-SN, que acontecerá no Acre, em 2023. A dirigente lembrou que, assim como a criação, a extinção de uma seção sindical precisa ser referendada pelo Congresso, que é a instância máxima deliberativa do Sindicato Nacional. “Temos um compromisso firmado não mais com essa associação, mas com cada docente deste novo polo da Uerj. É uma alegria de alguma maneira fazer parte dessa trajetória que vai consolidar o ensino superior na nossa região”, festejou a docente, que é moradora de Campo Grande, um dos principais bairros da Zona Oeste.

Artigo anteriorCriação do Fórum das IEES avança após reunião na Uerj
Próximo artigoEstaduais e Municipais do Andes-SN organizam lutas do setor para 2022