Recomposição salarial: movimento unificado define continuidade da luta

0
418

A Asduerj segue participando dos esforços para consolidar a unidade de ação com o conjunto dos servidores do executivo na luta pela recomposição salarial. Na última terça-feira, 19/3, membros da diretoria se reuniram, na sede da Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro (Seaerj), com entidades componentes do Fosperj, como a Asduerj, e com outras categorias, entre estas as da segurança pública, que também fazem parte da luta pela recomposição salarial.

O encontro foi o primeiro realizado após o ato do dia 13 de março, que reuniu cerca de mil servidores em frente ao Palácio Guanabara. O movimento cobra do governador o pagamento das duas últimas parcelas das perdas salariais ocorridas entre 2017 e 2021 e a reposição da inflação de 2023.

Após uma rodada de avaliação que considerou amplamente positivo o ato no Palácio, pelo retorno dos servidores às ruas, em grande número e de forma unificada, o grupo definiu alguns passos importantes para a continuidade da luta.

O principal encaminhamento foi a intensificação do movimento junto à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, a Alerj. A Casa aprovou, em 2021, a Lei nº 9436, que autorizou a recomposição das perdas do período 2017/2021 em três parcelas anuais. Destas, só a primeira foi paga por Cláudio Castro.

Investida mira ampliar apoio de parlamentares

Nesta quinta-feira, 21/3, o movimento realiza uma nova reunião com a bancada de parlamentares progressistas da Alerj. Um primeiro encontro com estes deputados ocorreu no dia 12/3, véspera do ato e gerou uma série de pronunciamentos favoráveis à recomposição no plenário. Foi definido ainda que, durante a campanha, todas as quintas-feiras, representantes do movimento percorrerão a Assembleia em busca do apoio de parlamentares.

Os servidores também protocolarão, nesta quinta, um ofício requerendo um encontro com o atual presidente da Alerj, deputado Rodrigo Bacellar (União Brasil). A investida faz parte da estratégia que procura ampliar a articulação com parlamentares dos mais diversos campos ideológicos e com a bancada do estado no Congresso Nacional.

O encontro desta terça também definiu a data e o local de um novo ato unificado. Será justamente na Alerj, no dia 11 de abril, às 14h.

“A Uerj contribuiu com um expressivo número de manifestantes no primeiro ato e será fundamental que ainda mais colegas, docentes e técnicos, participem da manifestação do dia 11, na Alerj”, ressaltou a presidente da Asduerj, Amanda Moreira.

Artigo anteriorLutar não é crime! Asduerj comemora a absolvição dos 23 manifestantes das jornadas de 2013 e 2014
Próximo artigoMoção de repúdio à violência contra uma militante feminista da organização argentina H.I.J.O.S