Denúncias sobre projetos não param, até quando esperar por iniciativas que responsabilizem pelos danos à imagem da Uerj?

0
1139

Como registramos aqui, a Comissão de Apuração dos Fatos e Responsabilidade em Projetos divulgou no dia 31 de março o relatório de sua investigação, numa concorrida sessão extraordinária do Conselho Universitário (Consun). Desde então, pouco se soube dos encaminhamentos feitos pela administração da universidade sobre o assunto, além das promessas do Reitor de encaminhar o documento (considerado por alguns conselheiros como frágil e insuficiente) ao TCE, ao MPRJ e aos órgãos de controle da universidade.

Por sua vez, e como já se esperava, não cessaram as publicações pelo Portal de Notícias com detalhamentos e acréscimos de novas denúncias. Outros e inusitados personagens foram apontados como favorecidos pelo esquema, incluindo parceiros de um famoso ex-jogador de futebol, reeleito recentemente para o senado com apoio do clã bolsonarista.

Outra reportagem divulgada na quinta-feira, 27/4, tem como base depoimentos de pretensos “bolsistas” da Uerj, que afirmam ter participado de um esquema de rachadinha. Segundo estes, a maior parte das vultosas bolsas que receberam, com valores de até R$ 34 mil reais brutos, foi devolvida por meio de pagamento de boletos de empresas ou, via PIX, para contas bancárias indicadas. Alguns dizem ter sido convidados a participar dos projetos por pessoas ligadas a candidaturas de deputados.

Além de mencionar o nome de uma docente da Uerj, responsável pelas contratações do projeto que mais recebeu verba de orçamento descentralizado (R$ 641 mil), a matéria refere ter ouvido de vários dos supostamente envolvidos no esquema uma resposta padrão: “procure a Reitoria da Uerj”. Ouvida pelo Portal, a Reitoria teria dito que instalou uma “Comissão Permanente de Apuração” desses fatos.

Hoje, sexta-feira, 28/04, foi publicada nova reportagem. Nela, é mencionado que um programa que visa a criar núcleos de qualificação profissional foi renovado. Tal programa foi encerrado em dezembro do ano passado no bojo do AEDA 134/2022, que nivelou equivocadamente todos os múltiplos projetos da universidade financiados por contratos, convênios ou descentralizações de créditos orçamentários. Entre estes, há projetos consistentes, além de valiosos socialmente e academicamente, mas que foram equiparados pelo Ato Executivo aos projetos sob suspeita. O programa que trata a reportagem, por exemplo, teria pagado R$ 23,7 milhões a bolsistas somente entre abril e agosto de 2023. Dentre os envolvidos no projeto, cita-se uma apadrinhada de um deputado estadual do Partido de Bolsonaro. Como renovar e por que renovar tal projeto com suspeitas de irregularidade? A administração central precisa urgentemente explicar motivos, conveniências e oportunidades.

Até quando teremos de amanhecer com o nome da Uerj estampado em reportagens críveis, como se refere o próprio relatório apresentado ao Consun, que indicam, com detalhamentos, ter sido a universidade usada por esquemas milionários de desvio e malversação de recursos públicos, com a finalidade de beneficiar grupos políticos, no caso de extrema direita, sem que a Reitoria responda com evasivas? Quais as consequências geradas pelo Relatório da Comissão de Apuração criada pela Reitoria no que se refere à responsabilização pelos fatos apontados? Essas perguntas não podem continuar sem respostas.

#Paratodosverem: A imagem que ilustra a matéria é uma foto colorida de parte da fachada do prédio principal do “campus” Maracanã, sob um céu nebuloso. Fim da descrição.

Artigo anteriorAto Unificado cobra pagamento da 2ª parcela da Recomposição Salarial acordada em 2021
Próximo artigoEleições Andes-SN: Resultado da apuração na Uerj