Fórum das estaduais do Andes-SN/RJ inicia campanha salarial unificada

0
300

O Fórum das Estaduais do Andes-SN/RJ voltou à atividade, no último mês de setembro, com uma agenda intensa de mobilização. O grupo tem se reunido periodicamente na nova sede do Andes-SN/RJ, buscando traçar estratégias de valorização do ensino superior no estado. O desafio tem sido construir pautas em comum, que não negligenciem as especificidades de cada instituição. Entre estas, a luta pelo pagamento da 2ª parcela da recomposição salarial acordada em 2021 e que ainda não foi paga pelo Governado Cláudio Castro.

O Fórum é composto pelas seções sindicais do Andes-SN na Uerj, na Uenf, na Faetec e nos cursos de educação a distância de nível superior do estado (Asduerj, Aduenf, Adesfaetec e Adopead, respectivamente). A coordenação é da Regional Rio do Andes-SN.

Nas últimas semanas, o grupo se reuniu com representantes do Ministério Público do Estado (MPRJ) e com diversos parlamentares da Alerj, incluindo as presidentes da Comissão do Servidor Público e de Ciência e Tecnologia da Casa, com o objetivo de pressioná-los em defesa da educação superior pública do estado. O Fórum tem buscado ainda abrir um canal de diálogo com o executivo, através das secretarias de estado da Casa Civil e da Ciência, Tecnologia e Inovação – SECTI.

Para a a 2ª Vice-Presidente do Ande-SN/RJ, Renata Gama, a unificação das pautas é fundamental para avanço das reivindicações. A docente acredita que apesar das especificidades, é possível a construção da unidade. “Já estamos caminhando nesse sentido no que se refere à questão salarial e ao reajuste das bolsas dos docentes-tutores da Fundação Cecierj”, aponta. Lembra ainda que, no Andes-SN, é comum a construção de fóruns de estaduais, como o “Fórum das Seis”, em São Paulo, e o “Fórum das Ads” no Estado da Bahia.

– “No Estado do Paraná são sete universidades estaduais, que, em unidade, entraram em greve, garantindo alguns ganhos salariais e avanços na carreira. Já no Maranhão, as duas universidades estaduais, Uema e Uemasul, realizam movimentos paredistas em unidade. Lá, neste momento, há uma greve em curso, cuja a pauta agrega a isonomia salarial entre efetivos e substitutos, reajuste salarial, recomposição orçamentária, retomada das obras paradas, entre outras reivindicações”, destaca Renata.

Dia D pela Recomposição Salarial

No dia 10 de outubro, o Fórum das Quatro, como foi apelidado o grupo que reúne as entidades do estado do Rio, promoveu um dia de lutas pela recomposição salarial, com atividades que se realizaram do início da manhã até a noite.

Pela manhã, representantes do Fórum foram ao Palácio Guanabara para entregar uma Carta ao secretário de Estado da Casa Civil, Nicola Moreira Miccione, na qual o Andes-SN/RJ solicita uma reunião para discutir a recomposição salarial e manifesta seu apoio ao Projeto de Lei 430/2023, que reajusta as bolsas dos tutores da Fundação Cecierj.

O documento foi protocolado gerando um número de SEI, para que o Fórum acompanhe a sua tramitação.

Nessa atividade, o Fórum foi representado pela Cláudia Piccinni, da Direção do Andes-SN/RJ e pelos professores Frederico Irias e Affonso Henriques Nunes, da Direção e da base da Asduerj, respectivamente (foto.

No início tarde, o Fórum se reuniu, de forma remota, com o deputado Professor Josemar (PSOL).

O parlamentar se comprometeu a articular uma conversa com a Secti para a construção de uma mesa de negociação e agendar um encontro do Fórum das Estaduais com o presidente da Alerj, Rodrigo Bacellar. Acordou ainda dar visibilidade à pauta, com falas em plenário e uma nota em seus meios de comunicação.

Representaram o Fórum na reunião, as professoras Carolina Emília (Adopead) e Renata Gama (Andes-SN/RJ), além dos professores Carlos Veiga (Aduenf) e Marcelo Nicolau (Adesfaetec).

No final da tarde, a reunião foi com a presidente da Comissão Permanente de Servidor Público da Alerj, deputada Martha Rocha (PDT).

A parlamentar avaliou que a conjuntura pode ser interessante para uma negociação com o governo e indicou uma articulação que envolva um grupo maior de parlamentares, que tenha proximidade às pautas do serviço público. Segundo ela, já existe um movimento para articulação de um colégio de líderes de partidos progressistas na Casa, ao qual o Fórum deveria se articular. Ratificou ainda a importância de um movimento para sensibilizar o Presidente da Alerj.

Participaram pelo Fórum, as professoras Carolina Emília (Adopead), Maria Raquel Vega e Renata Gama (Andes-SN/RJ), e os professores Carlos Veiga (Aduenf), Eduardo (Adopead), Frederico Irias (Asduerj) e Marcelo Nicolau (Adesfaetec).

À noite, o Fórum das Estaduais se reuniu na sede do Andes-SN/RJ

O grupo avaliou que o dia foi muito produtivo e que as estratégias do Fórum (inclusive a sua própria reconstrução) foram acertadas.

Foi construída uma agenda de lutas, com reuniões com o maior número possível de parlamentares da Alerj, até o final do mês de outubro.

Do dia 30 de outubro ao dia 3 de novembro, foi indicada a realização de assembleias de base, com indicativos de paralisações no dia 8 de novembro. O objetivo é se juntar ao movimento dos servidores públicos federais, que neste dia realizam atos em todo o Brasil, em unidade com o Andes-SN e a consígnia: “Governo, queremos respostas às nossas reivindicações!”. Aqui direcionada ao governador Cláudio Castro.

Recomposição será tema do encontro do setor das Estaduais e Municipais do Andes-SN

A luta pela recomposição salarial e orçamento nas universidades estaduais e municipais é o tema do XIX Encontro do Setor IEES-IMES, que começa nesta sexta-feira, 20/10.

No sábado, à tarde, a presidente da Asduerj, Amanda Moreira, participará da mesa “Condições de trabalho e saúde docente e combate ao assédio moral e sexual nas IEES/IMES”, apresentando os resultados da primeira etapa da enquete sobre saúde e condições de trabalho das trabalhadoras e trabalhadores das IEES/IMES.

Os diretores da Asduerj Frederico Irias e Dario Sousa e Silva também participarão do evento, que segue até o próximo domingo, 22/10, na Universidade Estadual do Maranhão, em São Luiz (MA).

Artigo anteriorAsduerj discute com Reitoria pauta emergencial da categoria docente
Próximo artigo“Marinalva, presente! Hoje e sempre!