Conjuntura, eleições presidenciais e a psiquiatrização da extrema-direita: notas para o debate

0
220

Rachel Gouveia Passos
Pós-doutoranda em Direito pela PUC-Rio; professora da graduação e da pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); colaboradora do programa de pós-graduação em Política Social da Universidade Federal Fluminense (UFF); coordenadora do Projeto de Pesquisa e Extensão “Luta Antimanicomial e Feminismos” e do Projeto de Pesquisa e Extensão “Encruzilhadas: diálogos antirracistas”

Resumo: O presente artigo visa apresentar elementos que problematizem o pedido de “intervenção psiquiátrica” para os apoiadores de Jair Bolsonaro no contexto de pós-eleições presidenciais de 2022. Questionamos a atualização de um discurso manicomial por parte do campo progressista, reduzindo a disputa de projetos de sociedade a patologias psiquiátricas. Nesse caminho, apresentamos a conjuntura que propiciou tal discurso, a disputa das concepções de saúde mental e a urgência de desnazificar o país.

Palavras-chave: Extrema-direita; Bolsonarismo; Psiquiatria; Saúde mental.

CONJUNCTURE, PRESIDENTIAL ELECTIONS AND THE PSYCHIATRIZATION OF EXTREME RIGHT: NOTES FOR THE DEBATE
Abstract: This article aims to present elements that problematize the request for “psychiatric intervention” for supporters of Jair Bolsonaro in the context of the post-presidential elections of 2022. We question the update of an asylum discourse on the part of the progressive field, eagerly disputing social projects with psychiatric pathologies.In this way, we present the situation that led to such a speech, the dispute over mental health concepts and the urgency of denazify the country.

Keywords: Extreme right; Bolsonarism; Psychiatry; Mental health.

Artigo anteriorRelato de Experiência sobre a Gestão Acadêmica Democrática Participativa no Contexto Pandêmico
Próximo artigoA desmaterialização da sala de aula: críticas sobre aeadização de cursos de arquitetura e urbanismo no Brasil