Política de ação afirmativa na pós-graduação na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro: percurso e reflexões provocativas

0
87

Otair Fernandes

Doutor em Ciências Sociais. Professor associado da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e do Programa de Pós-Graduação em Patrimônio, Cultura e Sociedade (PPGPACS/UFRRJ)
Pesquisador do Laboratório de Estudo Afro-Brasileiro e Indígena (LEAFRO-NEABI-UFRRJ)
e do Observatório de Políticas de Ação Afirmativa do Sudeste (OPAAS)
Líder do GP/CNPq – Patrimônio, Educação e Cultura Afro-Brasileira(GEPECAfro)

Resumo: As políticas de ação afirmativa na pós-graduação brasileira ainda é assunto pouco conhecido no campo das políticas públicas de democratização do ensino superior. A intensificação do acesso de negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiências, dentre outros, nos programas de pósgraduação stricto sensu no país tem como marco a Portaria Normativa MEC 13/2016, editada apenas para induzir a inclusão desses segmentos socialmente excluídos nos cursos de mestrados e doutorados. Embora isso possa ser considerado um avanço na história do ensino superior no Brasil, muitas questões rondam as políticas de ação afirmativa na pós-graduação, que precisam ser pontuadas e aprofundadas, com vistas a corrigir e reparar desvantagens e prejuízos historicamente construídos. O presente trabalho visa apresentar algumas reflexões acerca da adoção da política de ação afirmativa no âmbito da pósgraduação na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Ufrrj). Trata-se de um texto construído a partir do fazer sociológico como conhecimento socialmente situado relacionado à produção acadêmica com nosso lugar no mundo, às experiências que vivenciamos institucionalmente e às vertentes teóricometodológica que alimentam a leitura que fazemos sobre a sociedade brasileira e a questão racial, a partir da pesquisa documental e bibliográfica.

Palavras-chave: Ações afirmativas; Pós-graduação; Ensino superior; Ufrrj.

AFFIRMATIVE ACTION POLICY IN GRADUATE STUDIES AT THE FEDERAL RURAL UNIVERSITY OF RIO DE JANEIRO: ROUTE AND REFLECTIONS

Abstract: Affirmative action policies in Brazilian graduate studies are still a little-known subject in the field of public policies for the democratization of higher education. The intensification of access for blacks (blacks and browns), indigenous peoples and people with disabilities, among others, to stricto sensu postgraduate programs in the country is based on Normative Ordinance MEC 13/2016, edited only to induce the inclusion of these socially excluded segments in master’s and doctoral courses. Although this can be considered a breakthrough in the history of higher education in Brazil, many issues surround affirmative action policies in postgraduate studies that need to be punctuated and deepened, with a view to correcting and repairing historically constructed disadvantages and losses. The present work aims to present some reflections on the adoption of the affirmative action policy in the context of graduate studies at the Federal Rural University of Rio de Janeiro (Ufrrj). It is a text built from sociological doing as socially situated knowledge related to academic production with our place in the world, the experiences we live institutionally and the theoretical-methodological aspects that feed the reading we do about Brazilian society and the racial issue, based on documental and bibliographical research.

Keywords: Affirmative action; Postgraduate studies; University education; Ufrrj.

Artigo anteriorSilêncios e recusas ao racismo institucional na educação fundamental
Próximo artigoA busca por um novo mundo: políticas públicas, latino-americanismo e liminaridade a partir de pesquisa sobre a Universidade Federal para a Integração da América Latina (Unila), Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil